Portal Houve e Comunicação

Sexta-feira, 14 de Junho de 2024
Metaservers
Metaservers

Mundo

Safra de grãos gaúcha terá revés com chuva intensa

SAFRA RS

André Garcia
Por André Garcia
Safra de grãos gaúcha terá revés com chuva intensa
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O volume intenso de chuva em todo o Rio Grande do Sul, que se registra desde a última segunda-feira, vai trazer prejuízos à produção de grãos no Estado prevista pela Emater/RS-Ascar e pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) acima de 30 milhões de toneladas, das quais mais de 20 milhões de toneladas apenas para a soja. Quantificar as perdas, no entanto, ainda não é possível, afirma o agrônomo e especialista em grãos da Emater, Alencar Rugeri.

O diretor técnico da Emater, Claudinei Baldissera adiantou ontem os números que constarão do Informativo Conjuntural, o qual a associação divulga hoje. Segundo ele, na última semana a colheita da soja chegou a 75% da área plantada com o grão no Estado, estimada em 6,7 milhões de hectares. “Os 25% restantes a serem colhidos certamente terão impacto da quantidade de chuva, especialmente em terras baixas e naquelas sujeitas à inundação. Nestas, mesmo que pare de chover, vai levar tempo para que as máquinas consigam entrar nas lavouras e haverá comprometimento da qualidade do grão”, avaliou. Baldissera adiantou também que já foram colhidos cerca de 85% das plantações de milho e onde a cultura resta a ser colhida é naquelas propriedades em que agricultor priorizou a soja.

De acordo com o agrônomo Alencar Rugeri, os relatos recebidos das regionais da Emater no interior indicam que haverá três tipos de perdas que a chuva trará. A primeira perda decorre da intensidade das precipitações que levam embora nutrientes e até solos, mas não chega a significar perda de produção. "Em termos de produção temos dois tipos de prejuízo. Um é o das áreas de baixada onde a chuva realmente pode levar as plantas. Outro, este sim mais difícil de calcular, é aquele que interferirá na qualidade e na quantidade de grãos", explica.

Publicidade

Leia Também:

A perda de qualidade e volume, ressalta Alencar, vai depender da persistência da chuva e da capacidade do grão brotar na vagem. "É um conjunto de coisas que, agora, no olho do furacão, é difícil de dimensionar. Haverá reflexos, mas é preciso ter cautela e fazer uma análise depois que o evento terminar. Há sim uma preocupação grande em função ainda do que se tem para colher, principalmente na Metade Sul", completa.

Comentários:
Tchê Farmácias
Tchê Farmácias
Johnny Tatoo
Johnny Tatoo

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )